NoEDC.jpg
Buscar
  • Gisele Alvares Gonçalves

Legacies - S3E1

Olá, bruxas e vampiros do meu coração, tudo bem com vocês? Que saudade que eu tinha de falar com o fandom de Legacies! É, assim… Saudade de vocês, não dos monstros da semana da série em questão. Esse episódio de abertura da terceira temporada meio que decepcionou, foi bem ruizinho, teve muita vergonha alheia, porém confesso que eu não estava com as expectativas tão altas assim, então está tudo bem. E vocês, estavam com muitas expectativas?


Para quem não sabe, ou para quem não lembra, este episódio, na verdade, nunca foi planejado para ser a abertura da nova temporada, ao contrário… Ele seria o episódio dezessete da segunda temporada. A bagunça aconteceu com a chegada da pandemia, que acabou adiando as gravações de Legacies, e empurrando os quatro últimos capítulos da temporada anterior para agora. Arranjo de última hora, devido aos imprevistos, mas ainda assim uma decisão questionável. Na minha opinião, teria sido muito melhor um hiato, mas agora já era. A questão é: para quem estava esperando o fim dos monstros, vai ter que adiar as expectativas mais um pouco.


Mas vamos lá, julgar o episódio em questão à luz do conhecimento sobre sua existência: como sequência de um capítulo que tinha por tema Once Upon a Time, eu não me surpreendo nem um pouco que a própria Nimue tenha aparecido na série, e Excalibur, e o cavaleiro verde. Surpresa, não. Decepcionada, sempre. Cara, que viagem! Não dá pra pensar muito em The Vampire Diaries nessas horas, senão a gente senta e chora, e nunca mais levanta. Até eu, que sou apaixonada por temas arthurianos, que escrevi um livro chamado Amor e Morte em Camelot, tenho a decência de ter odiado a forma como o tema foi introduzido no universo dos meus vampiros preferidos. Eca! Sério mesmo, este episódio conseguiu não só ofender a mitologia vampiresca, como também o próprio ciclo arthuriano. Ainda assim, se não fosse a Nimue, seria outro monstro ruim, afinal de contas… Este episódio foi feito como continuação direta de outro igualmente detestável, e a gente vai se consolando com a promessa de que, a partir do quinto episódio desta temporada, as coisas vão começar a melhorar.



Agora, partindo para os pontos focais do episódio… Cara, como que não deram uma explicação sobre o Rafael e o Chad conseguirem ver o espírito do Landon? Sério mesmo, vocês conseguem bolar uma teoria sobre isto? Porque eu não consigo! E eu tenho quase certeza de que este detalhe, muito importante para a construção da mitologia de Legacies, vai ser esquecido no churrasco, o que me deixa até mais decepcionada do que os efeitos especiais ruins da série.


Como nem tudo são reclamações, no entanto, vou fazer um elogio ao episódio (lembrem-se dele, pois pode ser o único): gostei muito da reação do Landon, e da decisão dele de sacrificar-se em nome dos seus amigos. Sério, é genial, se você parar para pensar. Ao permanecer morto, ele estragava os planos do Necromante E impedia que Malivore tomasse posse de seu corpo. Não tinha ponto negativo nesta escolha… Exceto, é claro, que a Hope continuaria desacordada, e o Rafael ficaria de coração quebrado. Todas estas consequências, no entanto, são pessoais, e não se equiparam ao inferno que o Necromante vai lançar sobre a Terra assim que tiver toda aquela magia negra que estava possuindo a Josie. Não vou dizer que não entendo o Landon por voltar atrás, pois eu entendo, afinal é muito difícil ver as pessoas que você ama sofrendo, porém achei muito corajoso da parte dele ter se inclinado a não voltar ao mundo dos vivos. Pontos para o fênix!


O Rafael também se saiu muito bem… Aliás, o melhor de todos. Descendente do rei Arthur? No way! Não imaginei que isso pudesse acontecer, e o plot twist me pegou em cheio! Fala sério, pegou em cheio você também, não é mesmo? Ninguém pensou que ele pudesse ser o digno da história, porque ninguém imaginou que dariam destaque para este personagem! Quero dizer, na segunda temporada ele passou vários episódios sem aparecer e a gente nem notou. Gostei demais de saber que a Julie Plec se lembrou que o Rafael existe, e espero que continue se lembrando. O ator Peyton ‘Alex’ Smith agradece, e o fandom também.


Da parte da Lizzie também não tenho reclamações, apenas elogios! Afinal, ela deu um verdadeiro tapa na cara da Alyssa, botou a bitch em seu lugar! Quem que a japa pensa que é pra ficar apontando dedos, não é mesmo? O xingão foi mais do que merecido, e se o mundo fosse justo teria sido ainda pior. Não me levem a mal, eu amo odiar a Alyssa, e acho que a série está encaminhando ela para ser uma grande vilã como estagiária do Necromante, mas que ela mereceu tomar a surra de língua que tomou, isso ela mereceu!


Landon, Rafael e Lizzie se saíram bem no episódio, mas Josie nem tanto. Argh, que ranço que me deu dessa menina nesta semana! Sério que ela XINGOU a Lizzie por estar querendo ajudar? Que baranga ingrata! Se ela achava que a irmã não estava tomando um rumo que a agradasse, que tivesse falado antes com ela, de cantinho, dizendo que queria ficar sozinha mesmo para pensar na vida, e que depois que estivesse recuperada iria tentar trabalhar a sua interação em grupo. Isto é ok, estava no direito dela… O que não estava em seu direito era fazer pouco da irmã por não ler pensamentos! Agora, pra que ser sensata, não é mesmo? Parece que a moda agora é deixar a merda estourar pra depois falar o que estava errado. Tenho nojo de gente que age assim.



Indo para o reino dos ships agora, devo confessar que, apesar das cenas entre Lizzie e M.G. serem muito fofas, e apesar de ter shippado eles no passado, e apesar de estar óbvio para todo mundo que eles vão se tornar um casal canon, eu continuo não gostando dos dois juntos. Como amigos? Sempre! Como namorados? Eca! Em primeiro lugar, porque o M.G. correu tanto atrás da Lizzie que eu já classifiquei ele como um cara não-apaixonável. Sério, não tem como se apaixonar por um gado desses, e se eu não me apaixono, não consigo shippar. Em segundo, porque eu não gosto de casais fofos mesmo, eu gosto é dos ships cheios de sofrimento. Sim, sou meio masoquista e não nego. Em terceiro, porque o maravilhoso do Sebastian surgiu na segunda temporada para enterrar a sete palmos Mizzie em meu coração. Aliás, saudade do Sebastian, quero ele de novo na minha vida (ele não vai aparecer mais, não?). Então, quando eles estão juntos fazendo coisas fofas, eu sinto… Absolutamente nada, a não ser um desespero por saber que eles vão acabar a série juntos.


Falando em ship… Cadê a maravilhosa da Jade, que não deu sinal de vida neste episódio? Cara, não se pode mostrar uma vampira maravilhosa dessas, prometer um ship entre ela e a Josie e depois simplesmente ignorar o nosso coração de fã! Isso não se faz, Julie Plec! Enfim, eu só queria fazer este desabafo, avisando a todos que eu nunca vou esquecer da Jade, e vou ficar incomodando aqui, No Escurinho do Cinema, até trazerem ela de volta!


Houve, no entanto, outras ausências que foram notadas (ou não), mas não causaram o mesmo impacto, que foram Maya, Ethan e a mãe deles, a xerife Mac. Apesar de ter ficado entusiasmada com um possível ship entre a Mac e o Alaric, sinceramente não sinto tanta falta assim da personagem no enredo… Já quanto ao prometido interesse amoroso de Maya E Ethan por Hope, eu mais que dispenso. Não vi química nenhuma dos irmãos com a tríbrida Mikaelson, e nem achei estes personagens tão interessantes para terem participações mais profundas na trama. Ainda assim, vou ficar muito irritada se eles forem simplesmente ignorados. Já que foram trazidos à série, agora eles têm que ter uma resolução!


Agora, guardei o melhor para o final… O polêmico beijo, que nem deveria ser polêmico, na minha opinião. Qual o problema de um namorado dar um selinho na namorada? Se eles estão namorando, é de se pensar que ela aprecia os beijos dele! A gente tem que lembrar que nem tudo nesse mundo é abuso, e condenar apenas aquilo que efetivamente é condenável. A única questão que pode se levantar aqui é da incoerência da própria série, em que, no episódio anterior (S2E16), a Hope fala que beijo sem consentimento nunca é a solução, e esta fala acontece basicamente sobre a mesma situação. É, Julie Plec… Você não sabe para onde vai, ou está tendo casos de amnésia e se esquecendo do que escreveu ano passado.


Ainda assim, em certos pontos essa questão da coerência é questionável. Tipo, às vezes a gente diz qualquer coisa que vá deixar a outra pessoa em silêncio, simplesmente porque não queremos fazer o que ela pede e desejamos evitar um típico caso de insistência. Pode ter sido o que aconteceu entre a Hope e o porquinho (Josie). Mesmo que não fosse esse o caso, e a Hope realmente falou aquilo de coração… Cara, ela literalmente não quis acordar porque não queria ficar sem o Landon, e você acha que ela negaria um beijo dele? De certa forma, seu próprio estado de sono era o consentimento escrito em sua alma! Para um selinho e nada mais, que fique bem claro isso. Enfim, o beijo aconteceu e ela gostou muito, depois até quase rolou uma cena de “sequiso” entre eles, se não fosse o Rafael aparecer, o que claramente evidencia que não, o beijo não foi um abuso da parte do Landon.


E aí, gostou do episódio? Comente aí abaixo o que você achou sobre o ciclo arthuriano invadir Legacies, e sobre o beijo entre Hope e Rafael! De resto, deixo um beijo e um queijo para vocês, e um desejo imenso de que possamos nos encontrar nas próximas resenhas. Até a próxima!