NoEDC.jpg
Buscar
  • Angers Moorse

Ozark - S03E04



Salve salve, galera! O episódio 4, “Boss Fight”, trouxe um clima bem mais sombrio e tenso, um Marty mais vulnerável e temeroso e uma Wendy menos confiante e segura. Vem comigo que eu te conto tudo!


No final do episódio 3, fiquei com a impressão de que Marty havia sido levado pelos agentes do FBI… fui trolado! Eram capangas do chefão do cartel Navarro. A princípio, pensei que era porque haviam descoberto a proposta da agente do FBI a Marty, mas, ao decorrer do episódio, descobri que era por causa da lavagem de dinheiro.


Sobre a parte visual, achei o melhor episódio até agora, em termos de fotografia. Um clima bem dark e sombrio, propício ao nível de tensão que o episódio exigia. A cada novo cenário que surgia, via-se uma ambientação muito bem encaixada.

Falando dos protagonistas, Marty e Wendy podem ter lá suas diferenças, mas é inegável que se preocupam um com o outro. Não só pelos negócios, mas pelos sentimentos que os unem. Afinal, o que seria de um sem o outro? Talvez essa pergunta seja respondida na próxima temporada, pois ainda penso que um dos dois vai dizer adeus nessa.



Marty sofreu todo o tipo de terrorismo psicológico possível, apenas para responder uma pergunta ao chefão: “O que você quer?”. Essas técnicas de terrorismo psicológico foram muito utilizadas ao longo da história, de várias formas e pela maior parte dos grandes ditadores, militares e comandantes e imperadores.


Durante a Segunda Guerra Mundial, por exemplo, técnicas usando psicologia reversa, induções, drogas e testes com ondas cerebrais (muito embora não confirmados) foram constantemente aplicadas a soldados capturados, no intuito de obter informações preciosas sobre estratégias inimigas.


Mas o que tem a ver uma coisa com a outra? Simples: a ideia base do terrorismo psicológico (obter informações de alguém de forma coercitiva e não-voluntária) foi aplicada pelo chefão do cartel Navarro em Marty. Músicas altas e repetitivas, isolamento, alternância entre luz forte e escuridão, violências verbais e físicas e, principalmente, a ameaça às pessoas de seu círculo fizeram ele quase enlouquecer.


Enquanto isso, Wendy balançou pela primeira vez na série. Foi de cortar o coração ver ela chorando a pensar na possibilidade de nunca mais ver o marido. Mesmo que não estejam muito sincronizados, os laços que os unem permanecem muito vivos.


Aí, fiquei pensando: será que ela teria coragem de matar seu marido mesmo? Aquele pesadelo dela no episódio anterior e o sequestro de Marty nesse me fizeram pensar se ela teria coragem de tirar a vida daquele que ela ama. De uma coisa eu sei: ele jamais faria isso… mas não coloco minhas mãos no fogo por ela nesse caso, muito embora haja essa possibilidade.

Destaque para Ben neste episódio. Esteve muito mais ativo e firme durante todo o tempo, seja com as crianças, seja discutindo com a irmã. Charlotte e Jonah demonstraram muita maturidade para lidar com a situação, o que mostra que eles já amadureceram bastante e podem vir a se tornar membros mais ativos na próxima temporada ou, até mesmo, nessa.


Ah, já ia me esquecendo: que casal lindo que ficou o Ben e a Ruth! Estava shippando os dois desde que ele chegou e, para minha alegria, rolou o primeiro beijo entre eles! E o que foi mais legal… foi Ruth quem tomou a iniciativa, depois do fofo do Ben ter demonstrado tanto carinho e preocupação com ela… que fofos! Não sei se foi só por causa do momento de fragilidade dela ou se já está rolando algo mas, para arrancada, já valeu!



Na ausência de Marty, quem teve de segurar as pontas no cassino foi a nossa querida e amada Ruth que, dessa vez, ganhou cinco estrelas comigo! Mostrou coragem, seriedade, firmeza e teve malandragem para se escorregar da agente do FBI (essa não vai dar moleza pra ninguém na temporada!), mesmo dando uma pequena deslizada que culminou com um baita susto ao chefão do cartel e um ataque de nervos em Helen, Ben e Wendy. Por sorte, Marty salvou a pele de todo mundo.


Duas ausências neste episódio: Darlene e Erin, muito embora Helen mencionou o nome da filha, quando pede a Charlotte e Jonah para não falarem nada à filha. Mantenho minha aposta de que Eric será importante no crescimento dos filhos de Marty e Wendy no decorrer da série.


E a (ô vontade que deu de falar um palavrão agora!) Helen… hoje deu A Raiva dela... eita bichinha manipuladora e inescrupulosa! Botou pressão na Ruth, deixou Wendy perdida, ameaçou Charlotte e, de quebra, ainda meio que chantageou Jonah e a irmã a não falarem nada a Erin. Pelo Jonah, ele teria contado se tivesse a chance. Charlotte foi muito bem no episódio… elogios a ela dessa vez.


Curti muito a pegada desse episódio. E, de quebra, trouxe uma importante reflexão para nós, ainda mais nesse momento em que estamos vivendo (ou melhor, sobrevivendo): como o medo de perder alguém que amamos interfere (ou pode interferir) em nós e nossas atitudes. Faríamos tudo diferente ou seríamos os mesmos? Sairíamos dela sendo pessoas melhores ou piores? Fica a análise.



Nos encontramos na próxima resenha!