NoEDC.jpg
Buscar
  • Gisele Alvares Gonçalves

Por que O Rei do Show é o novo Xanadu?

Olá, pessoal... Tudo bem com vocês? Hoje vim trazer um paralelo entre um filme atual que todo mundo ama (ao menos todo mundo que eu conheço), e um longa bem antiguinho, que estreou em 1980 e, pra ser sincera, flopou intensamente. A verdade, no entanto, é que eu tanto amo O Rei do Show quanto amo Xanadu, e considero esta uma obra que foi mal apreciada em seu próprio tempo, mas que agora pode ser resgatada.


E por que Xanadu é tão bom, sendo uma obra claramente experimental? E quais os paralelos com O Rei do Show? Bom, vamos começar com o óbvio, que os dois filmes são musicais, tendo suas trilhas sonoras conquistado legiões. Sim! Apesar de Xanadu não ter bombado, suas músicas fizeram a geração de nossos pais, tendo alcançado não apenas os EUA, como também as rádios e lojas de vinil do mundo todo... Inclusive o Brasil. Além do fato de serem musicais (ou talvez por causa disso), as obras também possuem outras características em comum: as coreografias de tirar o fôlego, além do trabalho sobre as cores fortes/vivas, que deixam os filmes mais vibrantes e chamativos para o espectador. Ok, isso dito, que tal começarmos a falar de música? Bora lá!



1 – I’m Alive x A Million Dreams

Estamos na apresentação dos personagens e das tramas, e o que encontramos aqui? De um lado Sonny Malone, artista frustrado que, querendo viver de sua inspiração, porém falhando miseravelmente, acaba por despertar uma musa. Esta musa (interpretada por ninguém menos que Olivia Newton-John, que vocês provavelmente conhecem como a Sandy em Grease: Nos Tempos da Brilhantina) viria a ser o grande amor do Sonny. Hum... Um cara com um emprego frustrante, cheio de ideias, sonhos e dívidas que se apaixona por uma beldade loira fora do seu alcance, você lembra de alguém? Ah, é mesmo! P. T. Barnum, a quem nós acompanhamos desde sua infância, quando ele conhece a Charity e imagina um mundo diferente em que ele gostaria de viver. Aqui ambas as obras dão o tom da história, que é a importância de acreditar em seus sonhos, pois somente assim você poderá criar algo novo para o mundo.



2 – Magic x Come Alive

Aqui nós temos nosso protagonista finalmente empolgado, de verdade, com algo. Sonny Malone reencontra sua musa, e a inspiração começa a tomar conta de sua arte. E, olha que coincidência! Temos uma música rolando ao fundo, e ela fala sobre acreditar em magia, realizar os sonhos e ter esperança no futuro. P. T. Barnum, por sua vez, também está começando a tornar-se ele mesmo, construindo um show que ele realmente ama. Parece que esses dois até poderiam se encontrar para tomar um chopp qualquer dia desses, não é mesmo? Afinal, com as vivências tão similares, eles teriam bastante o que conversar! Como na música Come Alive, eles estão finalmente se libertando.



3 – Dancin’ x The Other Side

Agora está na hora do terceiro personagem entrar em cena, um sócio do protagonista. Para Sonny Malone, este seria Danny McGuire, um músico da velha guarda que está desesperado procurando um sentido para sua vida, e os dois decidem abrir um pub chamado... Xanadu. Aliás, vale a pena ressaltar aqui que quem interpreta o Danny é ninguém menos que o Gene Kelly, o astro conhecido por Cantando na Chuva. Barnum, por sua vez, consegue em Phillip Carlyle um sócio júnior, alguém que precisa desesperadamente viver um pouco, mesmo que isso arrisque sua reputação. Além do mais, as cenas possuem ainda outra coincidência: a barganha. Enquanto Phillip e Barnum decidem porcentagem de lucros, Sonny e Danny possuem ideias diferentes sobre como Xanadu deveria ser, se seria um clube de jazz a la anos 40 ou um bar bem próprio para os jovens dos anos 80, com muita guitarra, rock e danças sensuais. É claro, no fim das contas eles decidem fazer uma mistura dos dois, que fica simplesmente fabulosa! Pois é, esse collab entre estilos ficou incrível no filme, e eu não poderia amar essa cena mais do que já o faço.



4 – Suddenly x Rewrite the Stars

O grande momento romântico dos jovens, com coreografias de tirar o fôlego de tão mágicas que são! Aqui Sonny e Kira finalmente decidem ficar juntos, ainda que haja aquele pequeno problema de ser uma musa. Pois é, o amor de sua vida ser filha de Zeus sempre acaba estragando o namoro! Afinal de contas, mesmo que Sonny não soubesse de nada, Kira eventualmente teria que voltar ao Monte Olimpo, depois de ter terminado seu trabalho de inspiração. Quanto a Phillip e Anne, bem... Eles também têm um grande impedimento, visto que a sociedade racista da época faria de tudo para separá-los. Ainda assim, naquele instante, eles tiveram o seu momento de amor, e foi lindo pra caramba! Ah, essas mulheres problemáticas... Talvez Sonny e Phillip também poderiam ir a um pub juntos para falar sobre elas, e as dores emocionais que provocam.



5 – Suspended in Time x Tightrope

Chegou a hora de partir corações, e mais especificamente os das nossas belas loirinhas, tanto a Kira quanto a Charity. Acho que a comparação é bem óbvia, não é mesmo? Elas estão sofrendo porque não podem ficar com seus amados. Sinceramente? Uma das partes que menos gosto em ambos os filmes, e não é porque elas me fazem chorar... Ao contrário, acho elas um pouco entediantes.



6 – The Fall x From Now On

Sonny e Barnum decidem correr atrás do prejuízo, procurando pelas loiras a quem amam. Outra comparação bem óbvia, sem muito o que dizer.


7 – Xanadu x The Greatest Show

Finalmente o ápice, com cenas grandiosas e músicas que irão grudar no seu cérebro para sempre! Aqui temos muita cor, muita coisa acontecendo ao mesmo tempo em ambos os filmes... Muita arte misturada, de forma a maravilhar o expectador com a magia do cinema. Ok, em O Rei do Show usou-se efeitos especiais para chegar a lugares mais extremos, porém Xanadu também consegue impressionar o espectador, mesmo um exigente de 2021. Aqui é a apresentação final da realização do sonho... Seja o pub, seja o circo. Porém, ainda que Barnum decida passar a bola adiante para o Phillip afim de ficar com sua família, Sonny não teve essa opção, afinal a Kira continuava sendo uma musa, e teve que voltar ao Monte Olimpo. Ou será que não voltou? Este é um mistério que ficará para outro dia! Comente aí embaixo como você interpreta o final do filme, estou morrendo de curiosidade para saber o que vocês acharam!



E aí, o que acharam da matéria? Vão fazer uma sessão pipoca para ver os dois filmes na corrida? Diga aí abaixo se você já tinha notado as semelhanças, ou se tudo isso foi novidade para você. Estarei esperando seu comentário! Até lá deixo um beijo e um queijo a todos, e uma vontade imensa de que possamos nos encontrar em outras resenhas por aí. Até a próxima!