NoEDC.jpg
Buscar
  • D. C. Blackwell

Um breve texto sobre Tim Burton

Para os que não conhecem o diretor, faço as seguintes perguntas: Você já viu algum filme estranho, com visual gótico e diálogos tragicômicos recheados de sentimentos obscuros? Se sim, existe uma grande chance de você já ter visto algum filme dele e não ter percebido.

Nascido em agosto de 1958, Tim Burton sempre foi apaixonado pelo terror e pela arte do desenho. Uma bolsa da Disney para estudar no Instituto das Artes da Califórnia em Valencia, na Califórnia, provou este sentimento tão forte que o levaria ainda a conhecer o mestre Stephen King, atual chefão dos filmes de terror da última década – e de sempre. O elemento mais marcante das obras de Burton é o terror velado, sempre amenizado por outras características, como o humor ou o estilo de desenho – sombrio, porém delicado e inocente. Ele é um diretor que sabe como transformar pesadelos em diversão sem que ninguém atente. Abaixo, falamos mais sobre algumas de suas obras mais notáveis.


3 – A Fantástica Fábrica de Chocolate (2005)



A segunda adaptação já produzida da obra literária de Roald Dahl, de 1964, começa com o magnata dos chocolates Willy Wonka anunciando que permitiria um tour por sua fábrica àqueles que portassem o bilhete dourado, que viria dentro de cinco barras de chocolate aleatórias espalhadas pelo país. Charlie é o protagonista da história: um garoto de família extremamente pobre que consegue um bilhete dourado como se por peripécia do destino. Ao longo do tour, as crianças e seus responsáveis têm sua moral e seus princípios testados a cada novo setor, sendo punidos com sadismo e escárnio por suas falhas de caráter. O toque de Burton está justamente nas atitudes e comportamentos desumanos dos convidados, bem como nas punições horrendas de Willy, que são confeitadas com músicas divertidas e humor ácido.


2 – A Noiva Cadáver (2005)



Neste longa de animação, Burton coloca para fora seu lado desenhista, que estivera guardado havia doze anos, desde o lançamento de O Estranho Mundo de Jack. A trama é uma adaptação de um conto tradicional judaico em que um noivo acaba casando com um cadáver acidentalmente durante o ensaio de seus votos. Esta é uma obra cem por cento Tim Burton, que trabalha a morbidez da proposta com maestria para agradar gregos e troianos.


1 – Os Fantasmas Se Divertem (1988)



Em Os Fantasmas se Divertem Tim Burton descobrirá dois de seus atores fetiche: Winona Ryder, a quintessência da adolescente frágil e incompreendida, e Michael Keaton, o arqueamento de sobrancelhas mais famoso da história de Hollywood. “Eu fiz uma versão grotesca de O Exorcista”, diz Tim Burton sobre Os Fantasmas se Divertem. É a demonstração de que estamos diante de um tipo único, possuidor de uma estética herdeira dos filmes B e um humor macabro no estilo de Ambrose Bierce e Jonathan Swift. Um divertimento excêntrico? Sim, mas também a constatação de que Tim Burton era um diretor, já em 1988, para se levar em consideração.