NoEDC.jpg
Buscar
  • Gisele Alvares Gonçalves

Top 5 da segunda temporada - bônus de hiato

Olá, pessoal... Tudo bem com vocês? Faltando apenas um dia para o término do hiato de Legacies, venho aqui para rememorar com vocês os cinco melhores episódios dessa temporada até agora, de forma a matarmos um pouco essa saudade que já está grande no peito. Para aumentar o suspense, vamos começar do quinto colocado e daí iremos em direção ao primeiro lugar, trazendo sempre algumas considerações sobre o porquê de minhas escolhas. E aí, preparados para começarmos esse top 5? Lá vamos nós!

5 – Since When Do You Speak Japanese?


Este episódio foi todo muito bem feito, e de fato trouxe o monstro mais interessante de toda a segunda temporada de Legacies. Um demônio-espírito que possui qualquer pessoa e é transmissível pelo toque? Isso é bom demais para pertencer a apenas um episódio, sem contar que o Kurutta foi um dos personagens mais carismáticos a fazer uma ponta na série. Somada a todas estas vantagens, temos também flashbacks do Japão feudal, e eu realmente sinto falta dos flashbacks que costumavam ser apresentados a nós em TVD e TO. Foi curtinho, eu sei... Mas já foi um petisco para nós, fãs famintos por adentrar no passado deste universo, e uma esperança para que mais desses momentos possam ser explorados no futuro (quem sabe um flashback entre Sebastian e Cassandra? Queremos!).


Falando no vampirão bad boy... Neste episódio tivemos mais interação dele com a Lizzie, e também o momento inesquecível em que o M. G. faz a garota acreditar que o Sebastian não é real. Essa foi cruel, M. G.! Mas nos rendeu a cena emocionante do monólogo da Lizzie para a Josie e a Hope, no qual ela conta que está quebrada a um ponto em que não existe mais reparo. Atuação brilhante da Jenny Boyd, que nos deu um show de talento ao interpretar tanto a bruxinha Saltzman quanto o demônio ao mesmo tempo.



4 – I’ll Never Give Up Hope


Já o primeiro episódio desta temporada foi cheio de gratas surpresas, e a maior delas foi a interação entre Hope e Clarke enquanto a dupla se encontrava em Malivore. Quem ia dizer que os dois iriam formar um par tão shippável, não é mesmo? Certamente a primeira temporada não deu a entender isto, porém agora já estamos viciados na ideia de vê-los se aproximando gradualmente – quase como foi com a Elena e o Damon em TVD.


Também foi nesse episódio que a Hope voltou para Mystic Falls, e tivemos o coração partido em pedacinhos ao vê-la sofrer por ter sido esquecida por todos. Ver o Landon e a Josie se beijando logo que entra na escola Salvatore? Crueldade! Ainda assim, não é exatamente por causa disso que amamos essa série? Nós amamos como ela nos emociona, e como ficamos indignados, aflitos, miseráveis quando os nossos personagens preferidos sofrem.


Não tivemos nenhum monstro no decorrer do episódio, afinal o ciclope apenas apareceu bem no finalzinho, quase como um prólogo para o próximo capítulo... Sendo assim, os roteiristas conseguiram investir nas interações emocionais entre os personagens, e também nos localizou como as coisas estavam se desenrolando após a ida da Hope para Malivore. Achei muito importante essa decisão, e gostei bastante de acompanhar essas relações se desenvolvendo, e é por isso que ponho este episódio na quarta posição na minha lista.



3 – It Will All Be Painfully Clear Soon Enough


Neste episódio tivemos dois Landons, fato este que possibilitou ao Aria Shahghasemi mostrar para o que veio! Sim, eu fiquei embasbacada com o repertório facial do ator, e com sua habilidade de diferenciar o Landon original do SimuLandon, de forma que sempre sabíamos quando era um e quando era outro. Não foi só por esse motivo, no entanto, que botei esse episódio em uma posição privilegiada nesta lista... Foi também pelas referências a TVD e TO, que tivemos abundantes em frases e objetos.


Quem aí não reconheceu o “hello, brother”, esse hino dito pela primeira vez pelo Damon Salvatore, mas parodiado até mesmo pela Katherine Pierce? E o icônico “Miss me?”, dito por Kai Parker em The Vampire Diaries, e agora replicado pelo novo vilão dessa saga, que é ninguém mais e ninguém menos que o Ryan Clarke? Pois bem, outra referência menos notada na fanbase, mas que não passou despercebida por mim, foi a corrente que o dito Clarke usou para tirar a magia de sua arquinimiga/crush Hope. Se você rever The Originals, vai notar que essa mesma corrente foi usada pela Cami para prender o Vincent, e mais tarde também serviu para replicar a magia que foi posta na própria pulseira da Hope. Incrível como esse episódio nos pegou pelos detalhes, não é mesmo?




2 – This Christmas was Surprisingly Violent


Ok, esse episódio não teve o melhor monstro da série, mas a interação entre Hope e Clarke mais que compensa esse pequeno detalhe. Foi apenas neste capítulo que vimos, pela primeira vez, a tríbrida se abrindo para o golem, e até desejando-lhe feliz natal durante uma conversa por orelhão! Além disso, não podemos nos esquecer que a Hope contou algo extremamente pessoal sobre si mesma para o Clarke, quando sequer contou tal fato para os seus melhores amigos. Coincidência? Força da circunstância? Não, essa não é a garota Mikaelson que conhecemos... Se ela revelou sobre o seu sentimento de perda, é porque ela confiou intensamente no filho de Malivore naquele instante, construindo entre eles um laço verdadeiro e profundo.


Não podemos nos esquecer também da grande referência a TVD que tivemos neste episódio, com o carro do Damon sendo dirigido pela Lizzie, e depois servindo de cama de motel para ela e o Sebastian. Se eu amei ver de novo o camaro azul do meu vampiro preferido? É claro que amei! Para ficar mais perfeito, só aparecendo o antigo dono do automóvel para dar um oi na escola Salvatore.




1 –That’s Nothing I Had To Remember


Finalmente chegamos ao nosso vencedor! Sim, como já era previsto, eu tive que botar o episódio em que apareceu a nossa querida Freya como primeiro lugar, afinal foi incrivelmente emocionante vê-la de novo nessa franquia. Além desse detalhe, também foi nesse episódio que ficamos sabendo mais sobre o passado do Sebastian, e que a Josie executou a magia para trazer as lembranças referentes à Hope novamente para o mundo. Reencontros emocionantes, violentos e soturnos, tivemos de tudo nesse episódio, o qual certamente mostrou a tríbrida em uma montanha-russa de emoções como ela só teve ao voltar de Malivore.


Enfim, foi muito bom ver a Riley Voelkel novamente na franquia, e descobrir que o filho da Freya com a Keelin se chama Nick, em homenagem ao híbrido da família Mikaelson. Também foi bom novamente ver as ruas de Nova Orleans, e o bar icônico Rousseau’s, onde grandes cenas sempre aconteciam durante os episódios de TO. Resta-nos perguntar, agora, quando a Riley vai voltar para reprisar o seu papel em Legacies! Também queremos saber quais outros atores de TVD e TO vão fazer parte do spin-off, pois queremos ver outros rostos antigos da franquia aparecendo na escola Salvatore. O Chris Wood já está confirmadíssimo, e estou muito ansiosa para revê-lo como Kai Parker! Quem sabe, com essas aparições, outros atores não se entusiasmem e deem seu aval para a Julie Plec incluí-los no roteiro? É por isso que esperamos, e por isso que ainda vivemos!




E aí, gostaram dessa matéria? Se sim, deixem seus comentários aí abaixo, quero saber se vocês fariam uma lista igual à minha ou se alterariam a ordem de algum episódio. Um grande beijo a todos, e até a próxima!


Gisele Alvares Gonçalves