NoEDC.jpg
Buscar
  • Gisele Alvares Gonçalves

Um Olhar Sobre a Dinastia Tudor – The Tudors (season 1)

Olá, reis e rainhas do meu coração… Finalmente chegamos à série mais amada para aqueles que adoram a História da Inglaterra: The Tudors. Com o vivaz e amedrontador Jonathan Rhys Meyers no papel do protagonista, com o roteiro impecável de Michael Hirst e com a atuação poderosa de Natalie Dormer como Anne Boleyn, The Tudors nos levou por uma viagem inesquecível pelos tirânicos anos do rei Henry VIII, e pelo trágico destino de suas seis mulheres. Confesso que, a primeira vez que assisti a esta série, eu já havia visto A Outra, que é um filme que retrata apenas a trama da Anne Boleyn, e que já foi resenhado aqui neste site, nesta mesma saga de resenhas chamada Um Olhar Sobre a Dinastia Tudor. Depois dele, no entanto, não me arrisquei a ver nenhum outro audiovisual que retratasse a vida do rei que ousou romper com a Igreja Católica. Não assisti Wolf Hall, nem Ana dos Mil Dias, nem Henry VIII, com a famosa Helena Bonham Carter como Anne Boleyn. Não vi nenhuma dessas obras porque, depois de ter visto algo tão perfeito como The Tudors, tenho medo da decepção que se seguiria.


The Tudors conseguiu dar jovialidade à trama, porém ao mesmo tempo trouxe uma fotografia escura e focada na luz diurna e na luz das velas, que muito faz com que consigamos imergir no período retratado. O figurino, em si, não é cem por cento fiel ao século XVI… Ainda assim, não é dos mais fantasiosos que já vimos na TV (cof cof, Reign, cof cof), além de ter sido criado com beleza e muito bom gosto. Além disso, a trilha sonora é incrível, em especial quando inserem músicas originais do período nos episódios, como nos muitos bailes que são mostrados, ou quando criam uma cena unicamente para que ouçamos um coro de meninos cantando alguma música de Thomas Tallis (o que acontece até que seguido).


Ainda assim, o que mais chama atenção nessa obra são os ricos diálogos, o aprofundamento psicológico dos personagens e a atuação que, sinceramente, é o ponto mais forte da série. Por isso mesmo vou fazer diferente nesta resenha e, ao invés de escrever um texto corrido sobre tudo o que vem chegando à minha mente, vou falar de personagem em personagem o que eu penso, e assim também ir mostrando a minha preferência sobre um grupo em detrimento a outro. E aí, prontos para embarcar nessa viagem? Então segurem suas coroas, porque lá vamos nós!

Henry VIII - O protagonista da história, e ainda assim não é o personagem preferido de ninguém. Não me entendam mal, o Jonathan Rhys Meyers fez um trabalho excepcional ao interpretar o Henry VIII, tanto que a gente até perdoa que ele não tenha nem a altura, nem a aparência do personagem histórico que retrata. Quando ele grita com alguém, quando ele se enfurece, o faz com tamanha verdade que dá calafrios em qualquer um que esteja assistindo à série, e até mesmo quando é carinhoso e amável há um quê de loucura em seus olhos que nos deixa apreensivos.


Meu problema com o Henry, então, não é a atuação… Mas o próprio personagem. Ele ama e deixa de amar com a mesma facilidade, e mesmo os seus melhores amigos não estão a salvos perto deste rei. Qualquer um pode perder a cabeça por ter dito ou feito algo que o desagradasse (literalmente qualquer um), e isso apenas demonstra sua infantilidade, falta de moral e egocentrismo, além de atestar que ele não sabe lidar com frustrações. É, minha gente… Essa não é uma história sobre um herói! Se tivéssemos que classificar, eu diria até mesmo que se trata da história de um vilão.


Ainda assim, apesar de não ser um cara muito gente boa, a gente até pode dar uma colher de chá para o Henry por ele ser um tanto burro e manipulável. Cara, o que era a relação dele com o Wolsey? O rapaz nunca sequer questionava o cardeal, apenas dava passe livre para ele fazer o que bem entendesse! E depois quando o encanto pelo Wolsey foi amenizando, ele passou a confiar cegamente no Thomas Boleyn, no duque de Norfolk e no Charles Brandon. Ao menos, nesta primeira temporada, ele não cogitava tomar as decisões políticas por si mesmo, e quando o fazia, só saía burrada. Pensando bem, não tem como dar uma colher de chá para um cara desses.


Talvez ele fosse assim porque, tendo crescido como o segundo filho, foi mimado pela avó, enquanto que apenas Arthur (seu irmão mais velho que faleceu) é que era treinado para ser rei quando o pai morresse. A verdade, então, é que Henry não tinha a mínima ideia de como administrar um reino, e achava que ser rei era simplesmente ter todas as suas vontades atendidas. Ainda assim, fala sério… Mesmo que tivesse esse amenizante para sua falta de talento para ser da realeza, não dá pra perdoar o cara!


Charles Brandon - O cara que não quer nada com nada, que passa o rodo nas novinhas e que não pensa antes de agir. De novo, outro personagem que não dá pra levar muito a sério, já que ele só faz besteira do começo ao fim da primeira temporada. Vazio, fútil e inconstante, casa-se com a princesa Margaret só pra trair e ignorar ela. Não vou dizer que eu odeie o Charles Brandon (ao menos por enquanto), mas também não vou dizer que ele seja o meu personagem preferido. Na primeira temporada, ele é apenas alguém que não fede e nem cheira, apesar de ser interpretado pelo incrível Henry Cavill.


Thomas Cromwell – Figura controversa ao longo da série, mas nesta temporada ele até que é admirável. Protestante raiz, surge com a solução para o grande problema do rei, e parece apoiar a Anne Boleyn. Ainda assim, as falas dos personagens ao seu redor fazem umas pulgas surgirem atrás das nossas orelhas, como quando o Thomas Wyatt diz que ele parece ser um oportunista, mesmo que ele não tenha demonstrado isso em nenhum momento. Se o roteirista falou, tá falado: eventualmente ao longo da série teremos que esperar comportamentos duvidosos da parte do homem.



Anne Boleyn – Ah, agora chegamos nela, a estrela do show! Bom, para quem não sabe, eu fiz uma lista aqui no site das minhas 15 personagens preferidas dentre séries e filmes, e a Anne Boleyn de The Tudors está entre elas. Amo demais essa moça, essa diva maravilhosa, linda e sedutora! Gosto dela por ser verdadeiramente apaixonada pelo Henry, e também porque ela é perceptiva e inteligente, ainda que impulsiva em certos momentos da narrativa. Ela entrou no jogo da coroa por ordens do pai, mas soube se sair muito bem nele! Afinal, a moça sabia que não deveria se entregar fácil, como a sua irmã Mary fez, uma vez que a recusa é o maior afrodisíaco para os homens. Não digo que ela era uma pessoa boa de coração, isso não está em mérito aqui… A questão é que ela é uma mulher que conseguiu fazer o rei da Inglaterra comer na sua mão, e isso por si só já faz dela uma personagem incrível para mim. Se você quiser acompanhar a minha matéria 15 personagens femininas inesquecíveis, sobre a qual eu falei logo acima, clique aqui para acessar a primeira parte, aqui para acessar a segunda e aqui para acessar a terceira.



Mary Boleyn – Que mocinha safada, hein? Quem te viu e quem te vê… Nem parece a mesma personagem que, em A Outra, era um docinho puro. Essa aqui parece mais uma prostituta que uma dama da corte, vale nada mesmo. Ainda assim, apesar de ser meio dadinha da vida, ela não faz mal a ninguém, fica só lá de boas, vendo com quem vai transar nos próximos cinco minutos. Sendo assim, eu não odeio ela, ainda mais porque a Mary parece se dar muito bem com sua irmã… Julgar o seu comportamento, no entanto, é inevitável pra mim.



Thomas Boleyn – Personagem que usa as filhas como prostitutas para ganhar status, que mata pessoas sem escrúpulo, que fala da Anne Boleyn com uma sensualidade perturbadora… Ok, esse homem não tem como defender mesmo. Apesar de eu ter uma inclinação a odiar aqueles que procuram derrubar a Anne, e amar aqueles que ajudam ela, jamais poderia dizer sinceramente que gosto do Thomas Boleyn, afinal ele pouco se importa com qualquer outra pessoa além dele mesmo, e tudo o que ele fez para a Anne, na verdade, ele fez para si mesmo.



Embaixador Chapuys – Agora começamos a entrar na lista negra de fato. Nesta primeira temporada o Chapuys parece até um personagem bem centrado, fiel à sua religião, ao seu mestre e à rainha da Inglaterra. No entanto, só pelo fato dele defender a Catherina já faz com que ele caia no meu conceito. Por que essa gente achava que ela era muito digna, quando na verdade ela só estava se humilhando para um cara que claramente não queria nem saber dela? Enfim, eu entendo a posição do Chapuys, sendo um espanhol e tal, mas ainda assim dá um ranço por ele estar a favor da primeira esposa de Henry.



Catherine of Aragon – Mas que mulher bem chatinha, benza Deus! E sem um pingo de dignidade também… Eu, se estivesse no lugar dela, iria querer o divórcio também, e imploraria para que o papa anulasse meu casamento! Por que eu iria ficar ao lado de um homem infiel? Um homem que disse com todas as letras que não me ama mais? Ora, eu seria mais esperta que isso, e na primeira oportunidade iria negociar uma saída honrada: um palácio só meu, serviçais, dote para um futuro casamento e passe livre para ir à corte quando eu quisesse, e também para visitar a minha filha. Aquela era a chance dela ser feliz de verdade, e ela pegou essa chance com as duas mãos e jogou no lixo! De repente ela até se casava com o Chapuys, sei lá... Ao menos eles se entendiam e se gostavam. E além de tudo isso, ela ainda é uma personagem de um discurso só, parece até disco arranhado. Vou te contar uma coisa: A Catherine era, definitivamente, mais interessante em The Spanish Princess.



Thomas More – Outro personagem insuportável! Ele se acha tão bom, tão moral, tão acima das outras pessoas, mas o hobby dele enquanto chanceler era queimar pessoas vivas, simplesmente porque elas acreditavam em Deus de uma forma diferente! Nossa, vocês não tem noção de quanto eu odeio esses personagens que se fazem de certinho, mas são podres por dentro. Prefiro mil vezes aqueles que sabem que são ruim mesmo e não fazem questão de esconder isso de ninguém. Ao menos estes não são hipócritas.


Thomas Wolsey – Finalmente, o tema de toda a primeira temporada! Confesso que não sei o que achar do personagem, pois apesar de admirar o gênio administrativo que ele é, e gostar do fato dele não se fazer de santinho (como o Thomas More), ainda fico com ranço quando eu lembro que ele falou mal da Anne Boleyn. Olha, se não fosse o fato dele ter feito comentários ruins sobre a minha diva, eu até daria uma colher de chá para o homem… Afinal, dá até pena acompanhar a sua queda gradativa, quando ele fazia de tudo para se manter vivo. Mesmo que eu não achasse que ele devesse morrer, no entanto, dá um certo alívio ver que ele foi castigado. Enfim, que ele tenha mais sorte na próxima vida, no céu ou no inferno… Se bem que, pelo que a série deu a entender, a primeira opção estava indisponível para ele.


Mary Tudor – Ainda uma criança na primeira temporada, mas já mostra temperamento forte. Quem não admirou quando a mocinha fica irritada pela atitude do herdeiro de Francis? Até o papai ficou babão, ainda que tenha repreendido ela em público, pela questão da diplomacia. Tão queridinha, nem parece que vai se tornar a Bloody Mary no futuro… Ainda assim, aguardamos ansiosos por esse momento!


E aí, gostou da resenha? O que achou da primeira temporada da série? Comenta aí o que você achou dos personagens mencionados aí acima, e se concorda com a minha análise em relação a eles. De resto, deixo um beijo e um queixo para vocês, e um convite para que cliquem nos links abaixo, para ler toda a saga de resenhas Um Olhar Sobre a Dinastia Tudor. Até a próxima!


Um Olhar Sobre a Dinastia Tudor - The White Queen

Um Olhar Sobre a Dinastia Tudor - The White Princess

Um Olhar Sobre a Dinastia Tudor - The Spanish Princess (season 1)

Um Olhar Sobre a Dinastia Tudor - The Spanish Princess (S2E1)

Um Olhar Sobre a Dinastia Tudor - The Spanish Princess (S2E2)

Um Olhar Sobre a Dinastia Tudor - The Spanish Princess (S2E3)

Um Olhar Sobre a Dinastia Tudor - The Spanish Princess (S2E4)

Um Olhar Sobre a Dinastia Tudor - The Spanish Princess (S2E5)

Um Olhar Sobre a Dinastia Tudor - The Spanish Princess (S2E6)

Um Olhar Sobre a Dinastia Tudor - The Spanish Princess (S2E7)

Um Olhar Sobre a Dinastia Tudor - The Spanish Princess (S2E8)

Um Olhar Sobre a Dinastia Tudor - A Outra

Um Olhar Sobre a Dinastia Tudor - The Tudors (season 2)

Um Olhar Sobre a Dinastia Tudor - The Tudors (season 3)

Um Olhar Sobre a Dinastia Tudor - The Tudors (season 4)

Um Olhar Sobre a Dinastia Tudor - Elizabeth I

Um Olhar Sobre a Dinastia Tudor - Duas Rainhas